30 de novembro de 2015

Marcos e Noeli - o simples e o transcendental juntos


Conheci o trabalho deste casal querido no festival de cultura paulista Revelando São Paulo, que acontece em quatro edições anuais revelando as tradições culturais daquele Estado em diferentes cidades. No festival (imperdível, aliás! - depois dá uma olhadinha aqui, ó), Marcos e Noeli participam como expositores, representando Santana de Parnaíba. 

Suas peças são esculpidas em madeira e a maioria recebe um acabamento apenas em cera, deixando expostos seus belos tons acastanhados. São peças, geralmente, pequeninas e de uma delicadeza estética ímpar. Entre os temas preferidos do casal encontramos belíssimas representações de São Francisco de Assis, outras do Divino (extensamente difundido no Brasil na figura de um pombo com asas abertas) e de alguns Orixás, além de peças que remetem a um período mais remoto de produção artística iorubana.

Tenho duas peças do casal (por enquanto!). Uma, um Francisquinho agachadinho com as mãos apoiadas sobre as pernas a olhar um passarinho no chão que parece o estar encarando de volta e conversando com ele em "passarinhês"... Toda vez que meus olhos "batem" nesta peça e veem esta "cena" meu coração se enternece (é muito encanto!)... A outra peça é um Francisquinho sentado com as pernas esticadas e a coluna impecavelmente ereta (fazendo lembrar um iogue dedicado). Tem um passarinho pousado na ponta dos pés e outro na mão, erguida na altura do seu rosto.


coisicasartesanais@blogspot.com.br
São Francisco de Marcos e Noeli


Já havia comentado aqui o meu gosto por representações populares que tiram um santo do seu "lugar comum". São Francisco, por gozar de grandíssima popularidade em muitos países, talvez seja dos santos mais "livres" neste aspecto... Existem representações as mais diversas para Francisco! Francisco com passarinhos, Francisco amparando Jesus na Cruz (numa alusão à atemporalidade da alma e sugerindo o recebimento dos estigmas, as chagas de Cristo, que o santificam), Francisco com um crânio, com um crucifixo (ou com ambos), Francisco sorrindo, Francisco orando...

Os Franciscos de Marcos e Noeli são simples. De uma simplicidade profunda e bela - franciscana, eu diria até. Sem adornos, sem cores, sem demais elementos que "mascarem" o essencial, sem "desimportâncias". Com tanta simplicidade, o foco se volta para a força da cena que se representa - sempre gentil, doce, despretensiosa. E por isso estas peças são tão encantadoras! Porque nelas você vê Francisco, não a criatura revestida de intangível santidade, mas o homem simples com alma desnuda de menino, curioso diante dum passarinho ou placidamente confiante e sereno diante de um lobo e para quem, naquela representação, aquele momento (o passarinho ou o lobo) parece ser a coisa mais importante no mundo...

coisicasartesanais.blogspot.com.br
São Francisco de Marcos e Noeli


Além desta característica, há uma outra que também me agrada muito na obra do casal. É que a simplicidade de suas peças transcende a "cena" e percebe-se presente também nos próprios traços do seu entalhe, permitindo que a madeira seja parte da representação artística, de modo particular e intrínseco. A madeira passa a ter um papel importante, servindo de abrigo para as figuras que a ela se ajustam em nobres e generosos gestos de caber-se, de incorporar-se.... 

Este aspecto, de um certo modo, parece que dialoga com a simplicidade prima e rudimentar das peças que remontam à antiguidade iorubana, também produzidas pelo casal. Quando você vê, lado a lado, seus Franciscos e seus ícones fetichistas nas exposições de que participam isso parece mais claro. Os traços de entalhe destes se comunicam com os traços de entalhe daqueles.

coisicasartesanais.blogspot.com.br
Oxum de Marcos e Noeli

Ademais, é certo que este traço característico nas suas peças está, antes, na alma do artista e passa da sua alma para as suas mãos e, destas, para o que ele cria. Afinal, uma criação não é senão o aflorar material de conteúdos imateriais que carregamos cá dentro... Neste sentido, a obra de Marcos e Noeli é carregada de elementos simbólicos e pequenos diálogos em diversas camadas de ancestralidade. Causa impacto pela simplicidade e porque, ali, sem que nos demos conta exatamente, estamos diante de elementos que fazem contato com o transcendental que habita em nós.

Conheça o trabalho de Marcos e Noeli aqui, ó!
 
* * * 
Leia aqui a entrevista que Marcos e Noeli concederam ao Coisicas Artesanais! 
.............................................................................................................................................................. 

28 de novembro de 2015

Coisicas Artesanais - Divininho


Venho mostrar mais uma coisica minha. Mais um divininho. E devo advertir que serão muitos por aqui! (Aproveito para confessar minha inveterada paixonite por essas representações do Divino em pombinhos, fitas e flores...).

Talvez pela simbologia na figura delicada de uma pomba - e porque eu ame passarinhos!... Sanhaços, papagaios, rolinhas, cambacicas, maracanãs, marias-pretas, viuvinhas, corruíras, sabiás, bem-te-vis, canarinhos, cardeais... E, diga-se de passagem, todos livres, por favor! Em goiabeira, pitangueira, chafurdando a barriguinha em terra seca ou dando rasantes em fim de tarde num quintal...

Talvez porque eu tenha uma inclinação irresistível a me encantar com as representações de São Francisco, uma criatura que teve sua imagem associada a passarinhos...

Talvez porque o colorido das fitas e a delicadeza das flores me tragam memórias afetivas de coisas não necessariamente vividas por mim mas, certamente, experimentadas pelos meus avós...

Talvez por tudo isso misturado e por algo mais que ainda não sou capaz de alcançar...

A verdade é que, mesmo não seguindo uma religião, acho que sou meio "devota" dessas belezinhas pelo quê de ternura que elas me causam no coração...



coisicasartesanais.blogspot.com.br
R$ 27,00 + frete ("TEM MAS ACABOU")


Atualizado em Março de 2016 - "quem comeu regalou-se!"... Este pombinho seguiu viagem de "mala e cuia" pra Paraibuna (SP), onde pousou, bem na Semana Santa, na casa de uma amiga mais que querida!

Se você quer comprar um divininho aqui do Coisicas Artesanais, dá uma olhadinha no menu ali na lateral (em "Aqui tem mais Coisicas!") e conheça outras peças à disposição! 


coisicasartesanais.blogspot.com.br
Detalhe...
..............................................................................................................................................................

26 de novembro de 2015

Revelando São Paulo


O Revelando São Paulo é um festival lindíssimo que celebra as tradições culturais paulistas em suas diversas "facetas", passeando pelos universos caipira, caiçara, tropeiro, quilombola (dentre outros) e trazendo a público os aspectos dessas culturas na culinária, no artesanato, na música, na religiosidade e nas manifestações festivas populares do Estado de São Paulo.

No pavilhão das comidas, culinaristas e produtores apresentam suas delícias... Rojão, bolinho caipira, galinhada, polenta frita, torresmo, carne de lata, feijão tropeiro, cuscuz (o salgado, feito com farinha de milho), paçoca doce e paçoca salgada, cachaças artesanais, linguiças e rapaduras feitas na hora, queijos, tainha defumada, pães, cafezinho coado, bolinho de chuva, bolo de fubá, pé de moleque, cocada, doce de abóbora feito no tacho, goma arábica, geleias, etc, além de pratos das cozinhas grega, polonesa e árabe (dentre outras), convidam a esquecer a dieta e ser feliz!

coisicasartesanais.blogspot.com.br
          Café coado e fogão de lenha no rancho "Chão Caipira" de d. Irene e seu Bernardo, representando Paraibuna.                                  Foto: Simone dos Santos - Revelando São Paulo, Valinhos, 2014.

No pavilhão do artesanato, escultores, santeiros, pintores, figureiros, ceramistas, bonequeiros, tecedeiras, marcheteiros (e mais uma infinidade de outros artistas que eu nem saberia como "classificar") apresentam suas peças utilitárias e/ou decorativas em cerâmica, palha, madeira, porongo, ferro, bambu, tecido, tapeçaria e tantos outros materiais. Santos, bonecas de pano, divinos, quadros naif, instrumentos musicais, panelas, travessas, gamelas, brinquedos educativos, exposições de trabalhos fotográficos e de orquídeas, toalhas e mantas de crochê, de fuxicos, de retalhos... convidam a levar muitas prendas e lembrancinhas para distribuir entre a parentada!

coisicasartesanais.blogspot.com.br
                        Ponta de uma das bandeiras do grande cortejo de domingo repousando no pavilhão do artesanato.                                      Foto: Simone dos Santos - Revelando São Paulo, Valinhos, 2014.
















No palco, folias de reis, fanfarras, grupos de dança de são gonçalo, bonecões, reisado, orquestras e duplas de viola, batuque de umbigada, samba-lenço, jongo, congadas, cavalhada, fadangos de tamanco, catiras, adoradores da santa cruz, orquestra de rabecas, além de apresentações de grupos de danças portuguesas, italianas, alemãs, russas, bolivianas, indianas, ciganas e de cânticos hare krishna, dentre muitas outras atrações, convidam a conhecer as manifestações culturais tão nossas e as que chegam de todos os lugares do mundo para se misturar às nossas raízes e que, muitas vezes, desconhecemos...


coisicasartesanais.blogspot.com.br
Adoradores da Santa Cruz no palco do "Revelando" em Iguape.
Foto: Simone dos Santos - Revelando São Paulo, Iguape, 2014.

O Revelando São Paulo é um convite irresistível ao despertar de todos os sentidos! Pelo colorido bonito da festa, das fitas, das fardas, das bandeiras a instigar nosso olhar; pelo cheiro bom de lenha queimada e da comida típica que se espalha por todos os cantos; pelos sabores de tantas quitandas e especiarias a nos encantar o paladar; pela vontade de tocar e "ver com as mãos" os trabalhos manuais das comunidades que ali expõem suas mais ricas prendas; pelo trinado emocionante das violas e duos de vozes caipiras a nos encantar os ouvidos... E pelas reminiscências afetivas que tudo isso é capaz de fazer vibrar no coração de uma pessoa...

O festival acontece sempre em 4 edições por ano dividindo-se entre algumas cidades de diferentes regiões no Estado de São Paulo: Atibaia (em janeiro), Iguape (em junho), São José dos Campos (em julho), e na capital, São Paulo (em setembro). Verifique quando e onde acontecerá o próximo Revelando e se programe para conhecer essa festa linda!
...............................................................................................................................................................
Atualizado em maio de 2017:

Atualmente sob nova direção, o festival Revelando São Paulo deverá manter apenas a edição na capital paulista, deixando de contemplar outras cidades que costumavam recebê-lo. 

O novo site para informações é este aqui


Mas se você quer conhecer o histórico do Revelando São Paulo até os dias de hoje, dá uma olhadinha aqui, ó!
..............................................................................................................................................................

25 de novembro de 2015

Mala Direta

Na impossibilidade dificuldade (entre o computador e a cadeira) de criar um "botão de seguidores" aqui para este blog e considerando que este botão não contemplaria leitores que não tenham perfil "assado" ou "cozido" desta ou daquela "rede", decidi abrir este canal direto, onde as pessoas interessadas possam se inscrever numa "mala direta" para receber, de vez em quando, notícias de atualização de postagens no Coisicas Artesanais.

Basta mandar um e.mail com o assunto "mala direta" para:


Não se preocupem. Não repasso e.mail de mala direta para terceiros e cada mensagem será enviada com endereços em cópia oculta, então a privacidade de todos permanecerá resguardada. Também não vou entulhar a caixa de ninguém. Vou esperar acumular duas ou três postagens novas dentro de algumas semanas para, só então, enviar um e.mail para os inscritos avisando que temos novidades por aqui ;)

Atualizado em 08 de outubro de 2016 - Finalmente consegui incluir um botão de seguidores aqui no blog!!! (Vixi, levou tempo!)... Mas manterei esse contato de mala direta ativo ;)
..............................................................................................................................................................

22 de novembro de 2015

Rodrigo Diniz - obras carregadas de singeleza e humanidade.


Vi o trabalho do Rodrigo Diniz pela primeira vez numa loja de artesanato brasileiro dentro de um aeroporto no Rio de Janeiro. Na ocasião, fiquei encantada com um pequeno Santo Antônio de cerâmica na primeira prateleira, praticamente junto ao chão, carregado de um simbolismo muito diferente das comuns representações de Antônio na iconografia tradicional católica (aquela com o santo de pé trazendo o menino Jesus nos braços). Aquele Antônio encontrava-se agachado, de joelhos, para ficar da altura do menino Jesus (este sim, de pé) e trazia na mão direita o tradicional ramalhete de lírios, repousando a mão esquerda sobre o ombro direito do Menino, num quase-abraço misto de ternura e reverência.

Aquela peça me tocou profundamente. Ela me trazia uma mensagem arrebatadora de humildade: não era Jesus que estava no colo do santo, sendo por ele amparado. Era o santo que se ajoelhava de encontro ao Menino!

Quanta coisa pode trazer, incutida em si, uma obra! Coisas que, nela, não necessariamente são intencionais mas que estão ali presentes para ir de encontro ao que cada um de nós carrega dentro de si: memórias, histórias ouvidas, uma pessoa querida...

Aquela postura daquele Antônio me fez lembrar um costume indígena que eu ouvi da boca de uma antiga amiga, amante e pesquisadora de músicas e culturas... Ela contou certa vez que, entre os índios de algumas etnias, os adultos sempre se ajoelham diante de um curumim quando devem lhe dizer algo e que a intenção desse gesto é fazer-se "pequeno", do tamanho da criança, para que esta receba o ensinamento (conselho ou reprimenda) de alguém que a está olhando nos olhos, de igual para igual, nunca de cima para baixo... Quanto respeito e amor, quanto ensinamento num gesto tão simples! Aquele Antônio me trouxe esta e outras reflexões...

Duas coisas me agradam em cheio nesse Antoninho do Rodrigo Diniz. E têm a ver com um certo aspecto de algumas representações populares que fogem das imagens-padrão de santos que conhecemos. A primeira coisa é mais imediata: é esse gostinho bom do inusitado, do que te surpreende e quebra a tua expectativa - e quebra junto o "molde" que serve/serviu para identificar e "enformar" Antônios, Joões, Beneditos ou Conceições...

A outra coisa que me agrada é que justamente essa ruptura do padrão iconográfico vem trazer "vida" para este Antônio (ou para o João, para o Benedito e para a Conceição que povoam o meu ou o teu imaginário). Quando um artista tira um santo do pedestal, da cruz, da posição de "pose para foto" (ou seja lá de qual outro "lugar" ou "forma" que lhe tenha sido "consagrado" ao longo de séculos de história) e o representa numa cena cotidiana, num ato comum, num momento inusitado, este artista está emprestando humanidade e vida àquela figura e, consequentemente, a está aproximando das nossas vidas.

É inegável que este doce Antônio está carregado de vida! Porque ele tem um gesto próprio, só seu. Porque ele saiu do molde onde costumam se encaixar outros Antônios e foi se ajoelhar diante do Menino-Deus... pelas mãos de Rodrigo Diniz...

coisicasartesanais.blogspot.com.br
Santo Antônio do Diniz

Não comprei a belíssima peça naquela ocasião. Além de eu estar saindo do Rio em viagem (não seria prático, portanto, comprá-la naquele momento), quem já andou lendo postagens minhas por aqui sabe que eu tenho a adorável, venturosa e viciante mania de gostar de comprar uma peça diretamente das mãos de quem a fez (sempre que possível e quando a peça é dessas que me causam tanto impacto). Não foi diferente com a peça do Diniz.

No Santo Antônio exposto na loja havia uma etiqueta com as informações de procedência e autoria da peça, então eu não precisei pelejar muito, fazer promessa nem "simpatia" para encontrar o artista. (Não entendeu? Então, depois, dá uma olhadinha nessa história
aqui!). A etiqueta dizia pouco: "Diniz - MG". Foi o suficiente. Busquei na internet e finalmente encontrei o Rodrigo Diniz! Fiz o contato, encomendei meu Antoninho e fui buscar diretamente com ele, numa ocasião em que estive em Belo Horizonte.

Além desses Antônios cheios de ternura diante do Menino, Rodrigo faz também muitas outras figuras sacras. Nossa Senhora da Conceição, das Graças, Desatadora, Aparecida, Santa Terezinha, Santa Rita, São Judas Tadeu, São José, presépios, enfim... É santo pra atender a todo tipo de devoção! Mas ele próprio admite: seu "carro-chefe" são mesmo os Francisquinhos - lindíssimos, aliás, e que, como aquele Antoninho, saíram da forma e foram passear pelas situações mais pitorescas e humanizadoras, sentados em burricos, dando de beber a vaquinhas, brincando no balanço com passarinhos (!)... É cada uma peça mais linda e encantadora que a outra!

Rodrigo Diniz é um moço calminho e que passa uma pacatice boa no seu jeito de ser. Gostei muito de poder conhecê-lo pessoalmente, ainda que muito rapidamente num encontro marcado no Mercado Central de BH... Trata-se, sem dúvida alguma, de um artista de grandíssima sensibilidade e cujas mãos têm um dom para além do artístico: elas dão liberdade e conferem vida a suas peças, impregnadas de traços doces e gentis de humanidade! 

Encante-se com o trabalho do Diniz aqui!

* * * 
Leia aqui a entrevista que o Rodrigo Diniz concedeu ao Coisicas Artesanais!
.............................................................................................................................................................. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...